A renda fixa é um tipo de investimento que é procurado para integrar o pacote de baixo risco dos investidores, garantindo um fluxo constante de recursos sem muitas chances de se perder dinheiro. Conhecer o funcionamento de um fundo de renda fixa vai ajudar a entender uma opção de investimento que cada vez mais pessoas estão buscando no mercado financeiro.

O que é fundo de renda fixa?

A renda fixa é um tipo de investimento em que as taxas de retorno real ou renda periódica são recebidas em intervalos regulares e em níveis razoavelmente previsíveis. Os investimentos em renda fixa podem ser usados ​​para diversificar o portfólio, pois representam menos riscos que as ações e os investimentos em derivativos. Os aposentados normalmente tendem a investir pesadamente em investimentos de renda fixa devido aos retornos confiáveis ​​que oferecem.

Fundos de renda fixa, por sua vez, são fundos de investimentos gerenciados por corretoras ou outras instituições financeiras, como bancos, e que tem como parte principal de seus ativos o investimento em renda fixa.

Como funciona o fundo de renda fixa?

Existem dois tipos principais de investimentos no mercado de capitais: dívida e equidade. Equidade, ou ações de empresas são considerados propriedades de empresas, e os investidores recebem um retorno baseado na valorização da ação e/ou dividendos. Como o nome sugere, uma renda fixa é uma quantia pré-determinada de renda que é paga por um emissor e recebida por um investidor. Os investidores de renda fixa não tem participação acionária na empresa, mas atuam como financiadores de capital. Em troca de juros, os investidores de renda fixa emprestam seu dinheiro para as empresas. Como resultado, eles são considerados credores e muitas vezes tem uma reivindicação maior do que os acionistas em caso de falência ou inadimplência, tornando o investimento menos arriscado do que o patrimônio líquido.

O exemplo mais comum de um investimento que gera uma renda fixa é um título do tesouro. Os títulos do tesouro são emitidas por governos federais, municípios locais e grandes corporações. Os títulos do Tesouro do Brasil pagam uma renda fixa aos investidores. Os títulos corporativos incluem títulos com grau de investimento e títulos de alto risco. O primeiro paga um rendimento fixo mais baixo do que o segundo porque tem uma notação de crédito mais elevada devido à sua estabilidade percebida. Há também opções que são investimentos atrativos para investidores que procuram juros ou rendimentos mais elevados, mas que estão mais expostos ao risco.

Para entender por que os títulos do Tesouro e os títulos são de renda fixa, considere um título corporativo com juros anuais de 5% com vencimento em 5 anos. A empresa emite esse título para angariar fundos para seus projetos de capital. Os investidores emprestam dinheiro para a empresa comprando os títulos. Em troca dos fundos emprestados a ela, a empresa compensa seus detentores de títulos pagando uma taxa de juros fixa de 5% do valor do investimento anualmente. A taxa de juros também é conhecida como taxa de cupom. Um portador de títulos que comprou R$10.000 em títulos receberá, assim, 5% x R$10.000 = R$ 500 a cada ano. Este montante é fixo e representa um rendimento estável para o titular.

Fundos de renda fixa compram esses títulos e outros investimentos que estejam atrelados a taxas como a poupança e CDI.

Renda fixa

Entenda o fundo de renda fixa para usufruir melhor dos benefícios desse investimento. (Foto: Money Marketing)

Rendimento da renda fixa

O pagamento de juros sobre títulos de renda fixa é considerado como renda regular e é determinado com base na qualidade de crédito do tomador e nas taxas atuais de mercado. Em geral, títulos de renda fixa com vencimentos de prazos mais longos pagam uma taxa mais alta porque são considerados mais arriscados. Quanto mais tempo o título estiver no mercado, mais tempo ela terá para perder seu valor e / ou padrão. Ao final do prazo do título, ou no vencimento do título, o mutuário devolve o montante emprestado, também referido como valor principal ou nominal.

O principal risco associado aos investimentos de renda fixa é o emissor ou o mutuário inadimplente em seu pagamento. Outras considerações incluem risco de taxa de câmbio para títulos internacionais e risco de taxa de juros para títulos com prazo mais longo.

Em um fundo de renda fixa, ainda devem ser contabilizados os custos de administração, que irão retirar parte dos lucros com os juros obtidos.

Renda fixa como estratégia de investimento

O termo ‘renda fixa’ na construção de uma carteira geralmente se refere a um estilo de investimento que gera retornos estáveis ​​e previsíveis. Esses retornos são gerados a partir de títulos de baixo risco que pagam dividendos e juros. A construção de uma carteira de renda fixa pode incluir o investimento em títulos, bem como fundos mútuos de títulos, certificados de depósito (CDI) e fundos do mercado monetário. Esses ativos proporcionam retornos baixos, mas seguros, para os investidores.

Em uma economia de taxa de juros crescente, o investidor poderia comprar títulos individuais, investir em fundos de bônus ou empregar a estratégia de escada Com a estratégia de escada, um gestor de carteiras pode reinvestir o principal dos títulos vencidos em títulos com taxas mais altas. Por exemplo, um investimento de R$ 60.000 poderia ser dividido em um título de um ano, dois anos e três anos. Quando o título de um ano amadurecer daqui a um ano, o principal será lançado em um título de três anos. Quando o bônus de dois anos amadurecer, o principal será lançado em um título de três anos, e assim por diante. Ao fazê-lo, o investidor é capaz de aproveitar as taxas de juros mais altas à medida que os anos passam.

Investidores de renda fixa que vivem com quantias fixas de renda paga periodicamente enfrentam o risco de a inflação corroer seu poder aquisitivo. Para proteger uma carteira da inflação, um investidor pode comprar Títulos atrelados à taxa de inflação básica, como índices como o IPCA.

Os títulos de renda fixa são recomendados para investidores que buscam um portfólio diversificado; no entanto, a porcentagem da carteira dedicada à renda fixa depende do estilo de investimento pessoal do investidor. Há também uma oportunidade para diversificar o componente de renda fixa de uma carteira. Por exemplo, você pode ter uma carteira com 50% em títulos de grau de investimento, 20% em títulos do Tesouro, 10% em títulos internacionais e os restantes 20% em títulos de alto rendimento.

Como vocês investem em renda fixa? O que recomendam para quem vai começar a investir na renda fixa agora?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)