O private banking tem aparecido cada vez mais no mercado financeiro brasileiro. Principalmente após o grande boom econômico do início dos anos 2000, essa modalidade de serviço financeiro fez ainda mais clientes no país. Mas como é que funciona o private banking? Vamos explicar mais a fundo o private banking.

O que é o Private Banking?

O private banking consiste em serviços financeiros personalizados e produtos oferecidos a clientes de alto patrimônio líquido de um banco de varejo ou outra instituição financeira. Ele inclui uma ampla faixa de serviços de gestão de patrimônio, todos fornecidos sob o mesmo teto, como investimentos, serviços tributários, seguros e planejamento de investimentos e patrimônio.

Enquanto o private banking é voltado para uma clientela exclusiva, bancos de consumo e corretoras de todos os tamanhos oferecem, geralmente através de departamentos especiais, a divisão de “private banking” ou “wealth management”.

As noções básicas de private banking

Os serviços bancários privados incluem serviços financeiros comuns como contas correntes e de poupança, mas com uma abordagem mais personalizada: Um “gerente de relacionamento” ou “banqueiro privado” é designado a cada cliente para lidar com todos os assuntos, desde o especial (arranjar uma hipoteca de valor muito alto) até o mundano (pagamento de contas). No entanto, o private banking vai além dos depósitos e cofres para atender à situação financeira de todo o cliente. Os serviços especializados incluem estratégia de investimento e consultoria de planejamento financeiro, gerenciamento de portfólio, opções de financiamento personalizadas, planejamento de aposentadoria e repasse de riqueza para as gerações futuras.

Enquanto um indivíduo pode ser capaz de conduzir alguns bancos privados com US$50.000 ou menos em ativos de investimento, a maioria define um valor de referência de ativos de seis dígitos, e algumas entidades exclusivas só aceitam clientes com pelo menos  US$1 milhão para investir.

Produtos financeiros de private banking

O private banking consiste em serviços e produtos financeiros / de investimento personalizados oferecidos a clientes de alto patrimônio líquido individual de um banco ou outra instituição financeira.

Os clientes de private banking normalmente recebem descontos ou preços preferenciais e recebem um “banqueiro pessoal” para coordenar todas as suas atividades financeiras.

A gama de produtos e experiência em investimentos oferecidos por um banco privado pode ser limitada ou menos vantajosa que as opções “externas”.

A privacidade é um benefício fundamental do banco privado. As transações e os serviços prestados ao cliente geralmente permanecem anônimos. Os bancos privados geralmente fornecem aos clientes soluções proprietárias sob medida, que são mantidas em sigilo para evitar que os concorrentes atraiam um cliente proeminente com uma solução semelhante.

Os clientes de private banking geralmente recebem preços com desconto ou preferenciais em produtos e serviços. Por exemplo, eles podem receber condições especiais ou taxas de juros primárias em hipotecas, empréstimos especializados ou linhas de crédito. Suas contas de poupança ou mercado monetário podem gerar taxas de juros mais altas e / ou estar isentas de taxas e taxas de cheque especial. Os clientes que operam empreendimentos de importação-exportação ou fazem negócios no exterior podem operar com uma taxa de câmbio mais favorável.

Se eles estão gerenciando os investimentos de um cliente, os bancos privados geralmente fornecem recursos extensivos e oportunidades não abertas ao investidor médio de varejo. Por exemplo, um cliente de private banking pode ter acesso a um hedge fund exclusivo ou a uma parceria de private equity ou a algum outro investimento alternativo.

Funcionamento do private banking

O private banking é uma personalização dos serviços bancários, uma tendência no mercado financeiro atual. (Foto: Morgan McKinley Singapore)

Prós e contras do private banking

O private banking oferece aos clientes uma variedade de vantagens e privilégios e serviço personalizado (uma mercadoria cada vez mais valorizada no mundo dos bancos digitais, cada vez mais automatizados). E, além dos produtos personalizados, há a conveniência dos serviços consolidados – tudo sob um teto financeiro, por assim dizer. Quanto ao banco ou corretora, ele se beneficia de ter os ativos sob gestão dos clientes, mesmo com taxas de desconto, as taxas cobradas pela administração de carteiras e os juros sobre empréstimos podem ser substanciais.

Prós:

  • Um ponto centralizado para assuntos financeiros
  • Serviços de concierge / funcionários dedicados
  • Taxas favoráveis, taxas com desconto
  • Vantagens e privilégios

Contras:

  • Menos experiência institucional
  • Opções limitadas a produtos proprietários
  • Alta rotatividade de pessoal
  • Possível conflito de interesse para os funcionários

Desvantagens existem, no entanto. As taxas de rotatividade de funcionários nos bancos tendem a ser altas, mesmo nas divisões de private banking de elite. Também pode haver alguma preocupação com conflitos de interesses e lealdade: o banqueiro privado é compensado pela instituição financeira, não pelo cliente (em contraste com um gestor de dinheiro independente, digamos). Em termos de investimentos, um cliente pode estar limitado aos produtos proprietários do banco. E, embora os diversos serviços jurídicos, tributários e de investimento oferecidos pelo banco sejam, sem dúvida, competentes, eles podem não ser tão criativos ou especializados quanto os oferecidos por outros profissionais do “lado de fora”.

Lucrativo como banco privado pode ser, pode representar desafios para a instituição, também. Os bancos privados têm lidado com um ambiente regulatório restritivo. As leis brasileiras tem resultado em um maior nível de transparência e responsabilização; Há requisitos de licenciamento mais rigorosos para os profissionais de bancos privados que ajudam a garantir que os clientes estejam sendo adequadamente aconselhados em relação às suas finanças.

Exemplos de private banking

O Citibank, o Credit Suisse, Itaú, Santander, Bradesco, e Banco do Brasil são exemplos de instituições financeiras com operações bancárias privadas substanciais. São bancos que oferecem serviços personalizados para clientes com pelo menos uma certa quantia em ativos, oferecendo gerenciamento de dinheiro; estratégias para empresários; aposentadoria, sucessão e planejamento patrimonial; financiamento imobiliário; e soluções personalizadas de empréstimos.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)