O redesconto é uma ferramenta do mercado financeiro que deve ser devidamente conhecida por investidores, economistas e aqueles interessados em conhecer mais do nosso sistema financeiro. Mas como funcionam as operações de redesconto? E por que elas são utilizadas? Vamos tentar esclarecer da forma mais fácil possível.

O que são operações de redesconto?

As operações de redesconto são realizadas pelo Banco Central como uma concessão de empréstimo para bancos comerciais. Esses empréstimos são utilizados então para resolver situações de dificuldades de tesouraria. Cada operação de redesconto é remunerada com uma taxa de desconto designada.

Através das operações de redesconto, o Banco Central regula a oferta monetária do país. Ao aumentar as taxas de juros das operações, por exemplo, um banco comercial terá dificuldades para aumentar a reserva monetária e diminuirá, assim, ativos em circulação. Se as taxas de juros diminuírem, o empréstimo será facilitado aos bancos comerciais e aumentará a reserva monetária e o fornecimento de crédito aos clientes.

Em resumo, um aumento na taxa de redesconto resulta em menos dinheiro disponível no mercado. Uma redução nessa taxa resulta em mais dinheiro disponível no mercado.

Exemplos de redesconto

O termo “redesconto” também se refere ao processo pelo qual um banco central reserva federal desconta um título de dívida de curto prazo que já foi descontado por um banco. A facilidade de desconto de um banco central é geralmente chamada de janela de desconto. O termo vem dos dias em que um funcionário iria a uma janela no banco central para redescontar os títulos de uma empresa. Bancos são autorizados a aceitar empréstimos e outras obrigações bancárias como garantia para adiantamentos na janela de descontos. A janela de desconto é usada para redescontar os títulos privados como um meio de fornecer financiamento diretamente aos bancos a uma determinada taxa de juros e, assim, influenciar o custo marginal dos fundos dos bancos.

Por exemplo, um cliente que toma emprestado R$15.000 do banco assinará uma nota promissória informando que reembolsará o banco em R$16.500 após um ano. Esta nota é descontada pelo banco que empresta menos que o valor nominal de R$16.500 da nota. Se o banco quisesse obter reservas adicionais da Reserva Federal, poderia redescontar essa nota qualificada na janela de descontos, digamos, R$15.800. Ao fazê-lo, o banco assumirá a propriedade da nota de empréstimo e fornecerá ao banco membro fundos contra o montante que a nota promete pagar no vencimento.

Operações de redesconto

O redesconto ajuda na capitalização de bancos e instituições financeiras, principalmente, e pode ser um bom investimento para quem procura onde colocar o dinheiro. (Foto: The Philippine Star)

O redesconto dos Bancos em detalhes

Redesconto é o ato de descontar um instrumento de dívida negociável de curto prazo pela segunda vez. Os bancos podem redescontar esses títulos de dívida de curto prazo para auxiliar o movimento de um mercado que tem alta demanda por empréstimos. Quando há baixa liquidez no mercado, os bancos podem gerar caixa redescontando títulos de curto prazo.

Para atrair investidores, os emissores de dívida podem oferecer seus títulos com desconto ao valor nominal, o que significa que os investidores podem comprar um título por valor inferior ao seu valor nominal e receber o valor nominal total do título quando este vencer. Se a primeira oferta de dívida não gerar muito interesse, o emissor poderá aplicar um desconto adicional ao título, aumentando a diferença entre o preço de desconto e o valor nominal. Quando isso ocorre, diz-se que o emissor redesconta os títulos.

Ficou alguma dúvida sobre o redesconto do Banco Central? Deixe nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)