O que é pagamento Pix?

Escrito na categoria "Contas em bancos" por André M. Coelho.

Os brasileiros já são os primeiros a adotar quando se trata de mídia social e novas tecnologias. Este país hiperconectado depende de smartphones para gerenciar tudo, desde socializar até fazer compras e, em breve, pagar. Em 2023, os dispositivos móveis serão responsáveis ​​por quase metade das vendas online de varejo do país,. As eWallets já estão em alta e só ganharão mais relevância nos próximos anos, mas a tendência de pagamento mais importante do Brasil em 2020 é o PIX.

O que significa meio de pagamento PIX?

Essa plataforma de pagamentos instantâneos estará acessível aos usuários por meio de um aplicativo de smartphone a partir de 5 de outubro, quando os usuários poderão se cadastrar e habilitar transferências compartilhando informações de identificação pessoal, como número de telefone e e-mail. Em 16 de novembro, o serviço estará totalmente disponível para transferências gratuitas entre pessoas e empresas, bem como para pagamentos de comércio eletrônico.

Como funciona o PIX do Banco Central?

O PIX, que está sendo desenvolvido pelo Banco Central do Brasil, deve concluir a maioria das transações em 10 segundos – atualmente, elas podem levar de alguns minutos a 24 horas ou mais. O PIX está definido para ultrapassar os favoritos locais atuais – transações TED e DOC – além de opções stand-by como dinheiro e Boleto Bancário.

Como o PIX faz isso? Para começar, ele define um limite inferior para a entrada, uma vez que para fazer um pagamento só será necessário um smartphone, selecionar um contato para enviar dinheiro ou escanear um código QR, tornando todo o processo de checkout simples e fácil para usuários e comerciantes.

Pix do Banco Central

O PIX é o plano do Banco Central para pagamentos instantâneos em diversas formas. (Foto: Banco Central)

Pagamento instantâneo do Banco Central: benefícios

Além de ser conveniente e rápido, o PIX também oferecerá benefícios de segurança ao alavancar a autenticação multifatorial recomendada pelo Banco Central do Brasil. Esta medida de segurança cada vez mais popular cria vários pontos de proteção para reduzir o risco de movimentação de dinheiro, vinculando os telefones dos usuários às suas senhas ou dados biométricos.

Além da segurança, o PIX usará uma arquitetura aberta que capacita os usuários com contas em diferentes instituições financeiras ou eWallets a fazer transações instantâneas e gratuitas entre contas. Isso economizará aos usuários as altas taxas bancárias de fim de mês que eles pagam atualmente por essas transações entre instituições.

O PIX vai inspirar a competição entre bancos, fintechs, outros players financeiros e até mesmo empresas de outros setores, como varejo. Este mercado em evolução irá impulsionar a inovação e melhorar os serviços para os clientes.

Por fim, o PIX será mais barato do que ter um cartão de crédito, pois reduzirá as taxas. O fato da nova plataforma ter como interface principal os smartphones também é um fator que vai conquistar novos clientes. Em 2019, com uma população de 210 milhões, o país já contava com mais de 230 milhões de smartphones em operação.

PIX é apenas o começo

Nos últimos anos, o Banco Central do Brasil tem trabalhado para modernizar o ambiente financeiro do país e o PIX é apenas um dos passos nesse caminho. No final de 2021, o Brasil terá uma regulamentação bancária aberta; em última análise, a plataforma aberta integrará APIs de bancos e outras instituições que fazem parte do ecossistema financeiro. Isso significa que os usuários poderão gerenciar seu dinheiro por meio de várias plataformas diferentes, não apenas o aplicativo de seu banco. Eles também se tornam proprietários de seus dados financeiros que, somente com consentimento, podem ser compartilhados com outras empresas que desejam oferecer serviços mais personalizados.

Usuários e inovação estão chegando em primeiro lugar em muitos mercados ao redor do mundo e o Brasil não é exceção. As empresas que entendem e valorizam profundamente essas verticais estão definidas para vencer a concorrência e ter mais sucesso. A

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

Dinheiro ou cartão é uma pergunta muito comum nas lojas. A partir desta pergunta e muitas outras, André começou a escrever sobre finanças neste blog. Formado em pedagogia, André é especialista em educação financeira, além de ser consultor financeiro e empresarial. Tem mais de 300 horas de cursos em finanças, empreendedorismo, e orçamento. Há vários anos compartilha seu conhecimento através deste site.

Aviso legal

O conteúdo apresentado no site é apenas informativo com o objetivo de ensinar sobre o funcionamento do mundo financeiro e apresentar ao leitor informações que o ensine a pensar sobre dinheiro. O site Dinheiro ou Cartão não faz recomendações de investimentos e em nenhuma hipótese pode ser responsabilizado por qualquer tipo de resultado financeiro devido a práticas realizadas por seus leitores.

Deixe um comentário