Balanço de pagamentos é um conceito muito trabalhado na economia, e essencial para o bom funcionamento das finanças de um país. Entender esse conceito é entender como funcionam as relações internacionais e a partir disso, entender também a relação dessa balança com a situação econômica do Brasil.

O que é balanço de pagamentos?

O balanço de pagamentos é uma demonstração de todas as transações realizadas entre entidades em um país e no resto do mundo durante um período de tempo definido, como um trimestre ou um ano.

O balanço de pagamentos, também conhecido como saldo de pagamentos internacionais, e resume todas as transações que indivíduos, empresas e órgãos governamentais de um país concluem com indivíduos, empresas e órgãos governamentais fora do país. Essas transações consistem em importações e exportações de bens, serviços e capital, bem como transferências de pagamentos como ajuda externa e remessas.

A balança de pagamentos de um país e sua posição de investimento internacional líquido juntos constituem suas contas internacionais.

A balança de pagamentos divide as transações em duas contas: a conta corrente e a conta de capital (às vezes a conta de capital é chamada de conta financeira, com uma conta de capital separada, geralmente muito pequena, listada separadamente). A conta corrente inclui transações de bens, serviços, receita de investimentos e transferências correntes. A conta de capital, amplamente definida, inclui transações em instrumentos financeiros e reservas do Banco Central. Estreitamente definido, inclui apenas transações em instrumentos financeiros. A conta corrente é incluída nos cálculos da produção nacional, enquanto a conta de capital não é.

A soma de todas as transações registradas no balanço de pagamentos deve ser zero, desde que a conta de capital seja definida de forma ampla. A razão é que todo crédito que aparece na conta corrente tem um débito correspondente na conta de capital e vice-versa. Se um país exporta um item (um crédito em conta corrente), efetivamente importa capital estrangeiro quando esse item é pago (um débito em conta de capital).

Se um país não puder financiar suas importações através de exportações de capital, deve fazê-lo reduzindo suas reservas. Esta situação é frequentemente referida como um défice da balança de pagamentos, usando a definição restrita da conta de capital que exclui as reservas do banco central. Na realidade, no entanto, a balança de pagamentos definida de maneira ampla deve chegar a zero por definição. Na prática, as discrepâncias estatísticas surgem devido à dificuldade de contar com precisão todas as transações entre uma economia e o resto do mundo.

Política econômica e estrutura do balanço de pagamento

A balança de pagamentos e os dados da posição de investimento internacional são críticos na formulação de políticas econômicas nacionais e internacionais. Certos aspectos dos dados do balanço de pagamentos, como os desequilíbrios de pagamento e o investimento estrangeiro direto, são questões fundamentais que os formuladores de políticas de um país procuram resolver.

As políticas econômicas geralmente são direcionadas a objetivos específicos que, por sua vez, afetam o balanço de pagamentos. Por exemplo, um país pode adotar políticas especificamente projetadas para atrair investimentos estrangeiros em um setor específico, enquanto outro pode tentar manter sua moeda em um nível artificialmente baixo a fim de estimular as exportações e aumentar suas reservas monetárias. O impacto dessas políticas é finalmente capturado nos dados do balanço de pagamentos.

Balanço de pagamentos

O balanço de pagamentos é a relação entre o dinheiro que entra e sai de um pais, e sua compreensão é essencial para entender o comércio internacional. (Foto: Trade Ready)

Desequilíbrios na balança de pagamentos

Embora a balança de pagamentos de um país necessariamente zere as contas correntes e de capital, os desequilíbrios podem e aparecem entre as contas correntes de diferentes países. Tais desequilíbrios podem gerar tensões entre os países. Presidentes fazem campanha em plataformas para reverter os déficits comerciais, e também buscam mais investimentos internacionais. O superávit de um país pode colocar uma tensão irracional sobre o sistema global de comércio, já que para compensar tais superávits e sustentar demanda agregada suficiente para manter as pessoas no trabalho, o resto do mundo deve tomar emprestado e gastar com igual abandono. Tudo pode servir de plataforma política e econômica, dependendo do projeto de país que o Governo deseja.

História do balanço de pagamentos

Antes do século XIX, as transações internacionais eram realizadas em ouro, proporcionando pouca flexibilidade para países com déficits comerciais. O crescimento foi baixo, então estimular o superávit comercial foi o principal método para fortalecer a posição financeira de uma nação. No entanto, as economias nacionais não estavam bem integradas umas às outras, de modo que os fortes desequilíbrios comerciais raramente provocavam crises. A revolução industrial aumentou a integração econômica internacional e as crises de balanço de pagamentos começaram a ocorrer com mais frequência.

A Grande Depressão levou os países a abandonar o padrão ouro e a desvalorizar competitivamente suas moedas, mas o sistema de Bretton Woods que prevaleceu do final da Segunda Guerra até a década de 1970 introduziu um dólar conversível em ouro com taxas de câmbio fixas para outras moedas. À medida que a oferta monetária dos EUA aumentou e seu déficit comercial se aprofundou, no entanto, o governo tornou-se incapaz de resgatar integralmente as reservas em dólar dos bancos centrais estrangeiros por ouro, e o sistema foi abandonado.

Desde o choque de Nixon, como é conhecido o fim da conversibilidade do dólar para o ouro, as moedas flutuaram livremente, o que significa que o país com déficit comercial pode depreciar artificialmente sua moeda (acumulando reservas estrangeiras, por exemplo), tornando seus produtos mais atraentes. aumentando suas exportações. Devido à maior mobilidade do capital através das fronteiras, as crises do balanço de pagamentos às vezes ocorrem, causando acentuadas desvalorizações cambiais, como as que atingiram os países do Sudeste Asiático em 1998.

Ficou alguma dúvida sobre o balanço de pagamentos? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)