O mundo do financiamento de ativos e da contratação e leasing de contratos nem sempre é tão claro quanto poderia ser. E uma das áreas frequentes de confusão que encontramos é entender a diferença entre um leasing financeiro e um operacional. Entender a diferença pode te ajudar bastante, principalmente no lado contábil.

O que é leasing financeiro?

Um arrendamento financeiro é uma maneira de fornecer financiamento – efetivamente uma empresa de arrendamento mercantil (arrendador ou proprietário) compra o ativo para o usuário (geralmente chamado de locatário ou arrendatário) e o aluga por um período acordado.

Um leasing financeiro é geralmente definido como um leasing que transfere substancialmente todos os riscos e benefícios da propriedade do ativo para o arrendatário.

Basicamente, isso significa que o arrendatário está em uma posição amplamente semelhante como se tivesse comprado o ativo.

O locador cobra um aluguel como recompensa pela contratação do ativo ao locatário. O arrendador mantém a propriedade do ativo, mas o arrendatário recebe uso exclusivo do ativo (desde que observe os termos do arrendamento).

O arrendatário fará pagamentos de aluguel que cubram o custo original do ativo, durante o período inicial ou primário do arrendamento. Há uma obrigação de pagar todos esses aluguéis, às vezes incluindo um pagamento com balão no final do contrato. Uma vez que todos tenham sido pagos, o arrendador terá recuperado seu investimento no ativo.

O cliente está comprometido em pagar esses aluguéis durante esse período e, tecnicamente, um arrendamento financeiro é definido como não cancelável, embora possa ser possível rescindir antecipadamente.

O que significa leasing financeiro no final do contrato?

O que acontece no final do período do leasing financeiro primário variará e depende do contrato real, mas as seguintes opções são possíveis:

  • O locatário vende o ativo a terceiros, agindo em nome do locador
  • O ativo é devolvido ao arrendador para ser vendido
  • O cliente entra em um período de leasing secundário

Quando o ativo é vendido, o cliente pode receber um desconto de leasing, o que equivale à maior parte dos recursos da venda (menos os custos de alienação), conforme acordado no contrato de arrendamento.

Se o ativo for retido, o arrendamento entra no período secundário. Isso pode continuar indefinidamente e terminará quando o arrendador e o arrendatário concordarem, ou quando o ativo for vendido.

O aluguel secundário pode ser muito menor que o aluguel primário (um aluguel de ‘pimenta’) ou o aluguel pode continuar mês a mês no mesmo aluguel.

Funcionamento do leasing

Uma operação de leasing é como um aluguel de um item mas que, ao final, você terá o produto como sua propriedade. (Foto: Al Reef Downtown)

O que é leasing operacional?

Em contraste com um leasing financeiro, um arrendamento operacional não transfere substancialmente todos os riscos e benefícios da propriedade para o arrendatário. Geralmente, ele dura menos do que a vida econômica completa do ativo e o arrendador espera que o ativo tenha um valor de revenda no final do período do arrendamento – conhecido como valor residual.

Esse valor residual é previsto no início do leasing e o arrendador corre o risco de que o ativo atinja esse valor residual ou não quando o contrato terminar.

Um leasing operacional é mais tipicamente encontrado onde os ativos têm um valor residual, como aeronaves, veículos e instalações e máquinas de construção. O cliente obtém o uso do ativo durante o período do contrato acordado em troca de pagamentos de aluguel. Esses pagamentos não cobrem o custo total do ativo, como é o caso de um arrendamento financeiro.

As locações operacionais às vezes incluem outros serviços incorporados no contrato, por exemplo um contrato de manutenção de veículos.

A propriedade do ativo permanece com o arrendador e o ativo será devolvido no final do contrato de leasing, quando a empresa de arrendamento mercantil recontratar outro contrato ou vendê-lo para liberar o valor residual. Ou o arrendatário pode continuar a alugar o ativo com um aluguel justo de mercado que seria acordado na época.

Uma forma comum de arrendamento operacional no setor de veículos é o contrato de leaing. Este é o método mais popular de financiamento de veículos da empresa e tem crescido constantemente.

Por que escolher um tipo de arrendamento em detrimento do outro?

Essa é uma pergunta complexa, e cada investimento em ativos deve ser considerado individualmente para determinar qual tipo de financiamento será mais vantajoso para a organização. Existem, no entanto, duas considerações principais; o tipo e a vida útil do ativo e como o ativo arrendado será refletido nas contas da organização.

Tipo e tempo de vida do ativo

Como mencionado acima, a principal coisa a lembrar é que, em um arrendamento operacional, os riscos e recompensas de possuir o ativo permanecem com o arrendador, em um arrendamento financeiro, estes são amplamente transferidos para o arrendatário.

Em termos muito gerais, se o ativo tiver uma vida útil relativamente curta na empresa, antes de precisar ser substituída ou atualizada, um arrendamento operacional pode ser a opção mais comumente selecionada. Isso ocorre porque é provável que o ativo retenha uma proporção significativa de seu valor no final do contrato e, portanto, atraia aluguéis mais baixos durante o período do arrendamento. Como o arrendador corre o risco em termos do valor residual do ativo, este será precificado no custo total do contrato.

Para ativos em que é possível influenciar a condição no ponto de retorno ao arrendador e, portanto, dar maior certeza às estimativas de valor residual, esse ‘custo de risco’ pode ser significativamente reduzido. Os tipos de ativos, quando este for o caso, incluem carros, veículos comerciais e equipamentos de TI.

Se é provável que o ativo tenha uma vida útil mais longa na empresa, as considerações sobre seu valor residual se tornam menos críticas, pois é provável que seja uma proporção muito menor do seu valor original. Isso pode significar que o locatário fica feliz em assumir esse risco internamente, em vez de pagar uma taxa ao locador por isso. Aqui, o arrendamento financeiro é uma escolha mais óbvia.

Como os aluguéis pagos sob um arrendamento financeiro pagam a totalidade ou a maior parte do capital, geralmente é possível organizar um período de aluguel secundário e reter o uso do ativo a um custo muito reduzido.

Tratamento contábil de leasings financeiros e operacionais

Para empresas que agora precisam refletir arrendamentos operacionais em suas contas, o impacto é o seguinte:

Balanços patrimoniais – os locatários precisarão mostrar seu direito de usar o ativo como ativo e sua obrigação de efetuar pagamentos de aluguel como passivo.

Contas de lucros e perdas – os arrendatários mostrarão depreciação do ativo, bem como juros sobre o passivo da locação. A depreciação geralmente seria linear.

Para empresas que não são afetadas por essas mudanças, a capacidade de financiar ativos e mantê-los fora do balanço patrimonial pode ser o fator decisivo na seleção entre arrendamentos operacionais e financeiros.

A classificação de um leasing como financeiro ou operacional é baseada no fato de os riscos e as recompensas da propriedade passarem para o arrendatário. Isso pode ser subjetivo e é importante que o contrato de arrendamento seja cuidadosamente revisado.

Se ficou alguma dúvida, deixe nos comentários e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)