Muitos de nós, em algum momento, ouvimos uma conversa dos nosso pais ou avós sobre os primórdios do real, quando doces na padaria custavam centavos. Hoje, esses mesmos doces custam vários reais. Como tal aumento maciço acontece? Inflação, o aumento do preço de bens e serviços durante um período de tempo.

Para quê serve a inflação: conceito

A inflação tem um efeito importante em toda a economia do país. Isso afeta não apenas o governo, mas as pequenas coisas no cotidiano das pessoas comuns. Tanto uma causa como um efeito de como a economia está fazendo, a inflação tem tanto fãs quanto detratores. Muitos pensam que certas quantias de inflação são boas para uma economia próspera, mas que taxas maiores geram preocupações. Pode desvalorizar significativamente a moeda e, no pior dos casos, tem sido um componente-chave para as recessões.

Assim, o Banco Central tenta manter a inflação sob controle enquanto ainda permite que isso aconteça. Mas o que exatamente é a inflação, o que causa isso e o que acontece em tempos com inflação significativa?

O que é inflação?

Inflação, como mencionado, é a taxa de um preço sobe e, essencialmente, quanto vale o dólar em um determinado momento no que diz respeito à compra. A ideia por trás da inflação ser uma força positiva na economia é que uma taxa suficientemente gerenciável pode estimular o crescimento econômico sem desvalorizar tanto a moeda que ela se torna praticamente inútil.

O Banco Central geralmente define uma meta de inflação. Suponha uma meta de inflação de 4,5% e digamos que essa seja a taxa de inflação que realmente ocorre ano a ano. Se essa taxa de inflação afetar a gasolina, você poderá pagar R$3 por litro de gasolina este ano e esperar pagar cerca de R$3,13 no mesmo mês no ano que vem. A taxa de inflação nem sempre funciona da maneira que o governo gostaria. Se isso acontecesse, um doce hoje não custaria muito mais do que quando o Plano Real foi lançado.

A inflação também pode variar de ativo para ativo. Dependendo da época do ano, o preço da gasolina pode subir separadamente da inflação geral. De fato, há diferentes tipos de inflação, como o IPCA, que consideram diferentes custos para o consumidor.

Existem muitos tipos diferentes de inflação, dependendo não apenas do valor do bem, mas do que a taxa de inflação realmente é. Por exemplo, o que acontece se a taxa de inflação estiver bem acima da meta pretendida pelo BC? Em uma taxa mais alta, ainda no dígito único, isso é conhecido como inflação flutuante. É visto como preocupante ainda administrável.

Quando a taxa atinge dois dígitos e termina no intervalo de 10% a 20%, ela se torna inflação contínua. Esta é uma preocupação muito maior para os cidadãos de um país, já que a moeda está se desvalorizando muito mais rapidamente do que precisa ser. Os preços que sobem drasticamente podem ter um efeito devastador sobre as populações mais baixas e da classe trabalhadora, que já estavam lutando financeiramente. As rendas não aumentam em conjunto com os preços, e menos bens são comprados, jogando a economia no caos.

A hiperinflação é a iteração mais rara, porém mais desastrosa, da inflação dentro de uma economia. Um aumento totalmente incontrolável de 50% ou mais dentro de um mês, isso pode enviar uma economia em queda livre. As recessões se transformam em depressões. As pessoas perdem a fé na moeda fiduciária e começam a acumular ouro, levando a uma redução significativa na troca de mercadorias. As instituições financeiras, com seu dinheiro agora essencialmente sem valor, fracassam. A hiperinflação é muito rara, mas já aconteceu antes no Brasil e em vários outros países.

Também pode haver uma forma de inflação conhecida como “estagflação”, em que as taxas de inflação aumentam apesar do fato de a economia estar em um período de estagnação. Circunstâncias especiais causam estagflação, quando, por exemplo, valores de commodities como o petróleo aumentam demais em um curto período de tempo.

Definição de inflação

A inflação te faz perder dinheiro ao longo do tempo, e é importante uma boa gestão financeira para impedir que ela cause problemas financeiros. (Foto: National Real Estate Investor)

Como a inflação é medida?

Como você pode medir a inflação como um único número quando existem tantos bens e serviços diferentes? Não é fácil. O governo do Brasil tem alguns métodos diferentes para calcular a taxa de inflação atual:

Índice de Preços ao Consumidor. O IPC e o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) medem os preços de varejo de bens e serviços no Brasil, colocando centenas de itens itens compráveis ​​de centenas de categorias diferentes em uma “cesta de mercado” que os agrupa. Estes índices são medidos todo mês ou até semanalmente, e todo mês é publicada a mudança no preço.

O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) medem as variações de preços para grupos familiares mais vulneráveis, que recebem de 1 a 5 salários mínimos.

O IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna) e o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) são índices que analisam a variação dos preços do processo produtivo, no caso do IGP-DI, e na construção civil, no caso do IGP-M.

Causas da inflação

Há muitas maneiras diferentes pelas quais a taxa de inflação pode subir, e elas podem ser agrupadas em duas categorias diferentes: inflação de custo e inflação de demanda.

No caso de inflação de custos, os preços são impulsionados pelo aumento dos custos para produzir ou fornecer os bens e serviços. Isso pode causar uma escassez de oferta, mas a demanda pelos bens e serviços não diminuiu.

Às vezes, na inflação dos custos, o preço dos próprios materiais subiu, levando também ao aumento do preço dos bens relacionados. Isso geralmente acontece se houver falta de um material como o óleo; o preço é aumentado significativamente. Da mesma forma, os desastres naturais podem tornar alguns materiais escassos, e isso é frequentemente aproveitado ao elevar o preço.

Outra maneira de subir os preços é se os salários também aumentarem. Muitas empresas aumentarão os preços na sequência de salários mais elevados para os seus empregados, para compensar os novos custos. Isto também é referido como inflação de pressão salarial.

Embora a inflação baseada nos custos seja resultado do encolhimento da oferta incapaz de atingir o nível médio de demanda, a inflação puxada pela demanda ocorre quando a demanda aumenta, e o preço sobe para que as empresas possam tentar fornecer suprimentos suficientes para atender a essa demanda.

Em certo sentido, a inflação da demanda pode ser o tipo de inflação que os negócios sonham. Um sinal potencial de uma economia próspera, as pessoas têm dinheiro e querem gastá-lo tanto que precisam aumentar os preços para não cobrir os custos em um mercado estagnado, mas se permitirem produzir mais de um produto popular. Também tem sido teorizado que a demanda pode acontecer como resultado do alto nível de emprego, ou seja, as pessoas tem mais renda disponível.

Por outro lado, muitas vezes, a inflação da demanda pode se desenvolver como resultado de muito dinheiro sendo feito, desvalorizando a moeda e exigindo um aumento no preço.

Os gastos do governo também podem resultar em um aumento de preços, particularmente na venda de produtos militares após um aumento nos gastos militares. Outro fator que pode causar um aumento na taxa de inflação? Apenas uma suposição geral de que irá aumentar. Se houver uma previsão de que a inflação está prestes a acontecer, as empresas podem aumentar seus preços antecipadamente, transformando-a em uma profecia auto-realizável.

Efeitos da inflação: como ela afeta você?

O impacto da inflação afeta muitos grupos diferentes quando ela atinge. Nem todo grupo é afetado da mesma maneira. Quem se beneficia da inflação e quem não se beneficia?

Geralmente, em um período de inflação moderada, os candidatos a emprego podem se beneficiar. O aumento de gastos pode significar aumento da demanda, e as empresas podem decidir contratar novos funcionários para administrar melhor a nova demanda. Se você emprestou dinheiro de um credor, a inflação pode ser conveniente para você. Com a moeda desvalorizada, o que você tomou emprestado um ou dois anos atrás é agora o equivalente a uma quantia menor de dinheiro.

Nesse nível de inflação gerenciável, empresas que vendem bens e serviços também podem se beneficiar. Diz-se que uma boa quantidade de inflação aumenta e incentiva mais os gastos; no seu melhor, isso pode funcionar de forma que o aumento dos custos seja compensado por um aumento nas vendas.

Um nível insalubre e incontrolável, no entanto, é desastroso para quase todos. Se a inflação sai de controle, as pessoas perdem a fé em sua moeda. As instituições financeiras sofrem quando as pessoas tiram seu dinheiro delas. As empresas sofrem porque seus bens se tornam muito caros para a maioria das pessoas.

Aqueles com baixos rendimentos e rendimentos fixos sofrem em qualquer nível de inflação. O valor de uma moeda cai, mas as receitas não aumentaram necessariamente. Se a renda anual de alguém é de apenas R$25.000 e a taxa de inflação de um ano para o próximo é de 2%, esse salário é agora o equivalente a R$24.500 no ano anterior.

Exemplos de inflação

A inflação está acontecendo constantemente em uma base de mês a mês, mesmo que seja em menor escala. De fato, o Brasil já passou por uma hiperinflação que chegou aos 3 dígitos. Apesar disso, é uma ocorrência muito mais rara. Mas no século passado, várias empresas suportaram a hiperinflação e suas terríveis conseqüências.

O Zimbabué nos anos 2000 sofreu uma hiperinflação grave. Muitos economistas apontam para o financiamento do país da Segunda Guerra do Congo, imprimindo mais dinheiro como uma das principais causas disso. A inflação era tão ruim que a moeda tornou-se irrecuperável e, por fim, o plano do país passou a desmonetizar sua moeda inteiramente e a mudar para uma moeda estrangeira.

A Hungria lidou com um grave problema de hiperinflação em 1946, após a Segunda Guerra Mundial. Na pior das hipóteses, a taxa de inflação do pengo (moeda da Hungria na época) era bem superior a 200% ao dia. Os preços dobraram a cada 15 horas. Tal como no Zimbabué, a inflação atingiu um ponto indeterminável em que a única solução era abandonar a moeda e começar de novo uma nova. O país reintroduziu o forint, a moeda que eles usaram no final de 1800, em agosto de 1946.

A Alemanha, após a Primeira Guerra Mundial, viu a hiperinflação da marca de papel. A República de Weimar perdeu a guerra, e o país teve que imprimir mais e mais divisas para pagar as enormes dívidas que incorreram com todos os fundos que tomavam emprestados para a guerra. A marca tornou-se extraordinariamente desvalorizada e sem valor.

A Venezuela nos governos Chávez e Maduro confiscou os bens de produção e limitou a atuação de empresas exteriores em seu território. A produção de bens controlada pelo estado não conseguiu lidar com a demanda e o resultado foi uma inflação que superou 1 milhão.

Ficou alguma dúvida sobre a inflação? Se ainda tiver alguma pergunta, use o espaço de comentários abaixo para que possamos ajudar!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)