Preço é o valor que é atribuído a um produto ou serviço e é o resultado de um conjunto complexo de cálculos, pesquisas e compreensão e capacidade de assumir riscos. Uma estratégia de preços leva em consideração segmentos, capacidade de pagamento, condições de mercado, ações da concorrência, margens comerciais e custos de insumos, entre outros. É direcionado aos clientes definidos e contra concorrentes.

Estratégia de preço: conceito

Preços premium: o preço alto é usado como critério de definição. Tais estratégias de preços funcionam em segmentos e setores onde existe uma forte vantagem competitiva para a empresa. Exemplo: Porsche nos carros e Gillette nas lâminas.

Preços de penetração: o preço é definido artificialmente baixo para ganhar participação de mercado rapidamente. Isso é feito quando um novo produto está sendo lançado. Entende-se que os preços serão elevados quando o período de promoção terminar e os objetivos de participação de mercado forem alcançados. Exemplo: tarifas de celular; empréstimos à habitação etc.

Preços econômicos: preço sem frescuras. As margens são pequenas; despesas gerais como custos de marketing e publicidade são muito baixas. Tem como alvo o mercado de massa e a alta participação de mercado. Exemplo: detergentes de lavagem; produtores locais de chá.

Estratégia de skimming: o preço alto é cobrado por um produto até que os concorrentes permitam, após o que os preços podem ser reduzidos. A ideia é recuperar o máximo de dinheiro antes que o produto ou segmento atraia mais concorrentes que diminuirão os lucros para todos os envolvidos. Exemplo: os primeiros preços de telefones celulares, videocassetes e outros itens eletrônicos, onde algumas poucas empresas dominavam, atraíram empresas asiáticas de menor custo.

Essas são as quatro estratégias básicas, variações das quais são usadas na indústria.

Estratégias de preços

Use uma estratégia de preços para fazer melhor contra a concorrência. (Foto: optinmonster.com)

Qual a importância da estratégia de preços?

Em resumo, uma estratégia de preços refere-se a todos os vários métodos que as pequenas empresas usam para precificar seus produtos ou serviços. É um termo abrangente que pode explicar coisas como:

  • Condições de mercado
  • Ações que os concorrentes realizam
  • Segmentos de conta
  • Margens comerciais
  • Custos de entrada
  • Capacidade de pagamento dos consumidores
  • Custos de produção e distribuição
  • Custos variáveis

As estratégias de preços são úteis por vários motivos, embora possam variar de empresa para empresa. Escolher o preço certo para um produto permitirá maximizar as margens de lucro, se é isso que você deseja fazer. Ao contrário da crença popular, as estratégias de preços nem sempre são sobre margens de lucro. Por exemplo, você pode optar por definir o custo de um bem ou serviço a um preço baixo para manter sua participação no mercado e impedir que os concorrentes invadam seu território.

Nesses casos, você pode estar disposto a sacrificar as margens de lucro para se concentrar em preços competitivos. Mas você deve ter cuidado ao se envolver em uma ação como esta. Embora possa ser útil para os seus negócios, também pode acabar prejudicando sua empresa. Uma boa regra para lembrar quando o preço dos produtos é que seus clientes não o comprarão se o preço for muito alto, mas sua empresa não poderá cobrir despesas se o preço for muito baixo.

Como escolher uma estratégia de preços?

Ao considerar o planejamento de preços, é importante pensar mais amplamente do que o preço. Vamos considerar as perguntas que são importantes a considerar antes de decidir sobre a estratégia de preços correta:

Você está criando um novo setor?

Quem é seu público-alvo?

Quais produtos eles usam atualmente ou podem comparar sua oferta?

Que vantagens / benefícios você oferece sobre seus rivais?

Os consumidores valorizam essas vantagens e as consideram merecedoras de mudança?

Onde eles poderão comprar o produto ou serviço?

Quem são seus concorrentes?

Qual o preço que eles cobram?

Que diferenças você oferece em comparação com a concorrência?

O mercado está crescendo ou é um mercado estático bem estabelecido?

É provável que a compra seja repetida ou única?

Existem consumíveis conectados ao produto?

Qual o risco que os consumidores correm ao escolher seu produto ou serviço? (Devem oferecer garantias ou garantias?)

Ao responder a essas perguntas, é possível entender melhor onde um produto ou serviço se encaixa no mercado. Essas perguntas devem ser vistas como parte de uma revisão estratégica mais ampla da marca, gama de produtos ou negócios.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)