Poucos momentos da vida são mais emocionantes – e aterrorizantes – do que no dia em que você deixa seu emprego para buscar outra coisa, seja o seu próprio negócio, a parentalidade em tempo integral ou uma mini aposentadoria para viajar pelo mundo.

É de admirar que alguém que encontre um emprego – especialmente se for lucrativo – se sinta relutante em deixar a segurança financeira. Pior é quando isso acontece de forma inesperada.

Mas faz algum sentido financeiro sair do seu emprego ou você deveria dar um salto de fé e desistir de qualquer maneira?

Se você deseja garantir que está preparado financeiramente antes de sair, o que deve fazer?

Quanto dinheiro você precisa economizar?

Seja uma demissão esperada ou inesperada, nós temos as respostas necessárias para te ajudar.

Tenha uma reserva financeira antes da demissão

A menos que você já tenha outra fonte de renda na bolsa (ou contará com a renda de um parceiro), largar o emprego sem uma rede de segurança é um tanto imprudente. Considere seis meses de despesas de moradia um mínimo confortável para colocar no banco antes de sair.

Esse valor é válido principalmente para aqueles que seguem o caminho empreendedor, pois você não pode esperar um financiamento no momento em que obtém sua brilhante ideia de negócio. E o triste fato é que menos de 1/4 de todos os brasileiros não têm economia de emergência.

Para evitar essa situação, você precisará de 6 meses de estocagem financeira. Como a procura média de emprego leva de 4 a 6 meses, você deve elaborar um plano de ação.

Planeje viver com (muito) menos dinheiro depois da demissão

Se a mudança de carreira é importante, você simplesmente não pode se dar ao luxo de mantê-la refém porque está resistindo a uma mudança de estilo de vida. Os seres humanos se adaptam rapidamente às conquistas e avanços no estilo de vida que fazem, e a felicidade atinge o pico à medida que nivelamos o novo normal. Se preferir, pense nisso como o equivalente fiscal do cheiro de carro novo se desgastando.

Em um minuto, você fica feliz vivendo de miojo e dividindo o aluguel com três colegas de quarto; no próximo, você tem um apartamento elegante, uma TV de tela grande e um carro do ano estacionado em frente. OK, então não somos todos nós, mas você entendeu: quando montamos essa nova fase, logo esquecemos nossas felizes circunstâncias nos dias anteriores e detestamos dar um passo atrás.

Mas você não precisa viajar de volta para a época dos miojos. Considere mudanças incrementais: um apartamento mais barato, um carro mais barato, menos noites e almoços comendo fora. Você também deve se aproximar as saídas com cautela, embora alguns sacrifícios sejam mais fáceis de fazer do que outros.

Quanto mais você reduzir, mais suas economias irão; a mesma quantia necessária por 6 meses pode durar talvez o dobro do tempo e oferecer mais espaço para respirar.

Finanças na demissão

Cuidado com as finanças após uma demissão, e controle seus recursos para evitar problemas. (Foto: Of Life & Money)

Aumente sua capacidade de crescer

Talvez seja uma analogia estranha, mas se encaixa bem na estratégia de troca de trabalho: músicos experientes no estúdio não se limitam a entrar em sintonia. Eles tocam quatro ou cinco vezes no modo de aquecimento para que, quando a música realmente começar, eles estejam no ritmo e na sincronia.

Da mesma forma, uma mudança de emprego não é algo que possamos abordar abruptamente. Comece a fazer seus planos semanas ou até meses antes de sair do seu show atual.

Como você cobre o plano de saúde, por exemplo?

Se você estiver fazendo contribuições de aposentadoria, o que fará? Como você continuará economizando para a aposentadoria?

Você precisa substituir certas regalias do seu trabalho (acesso gratuito à academia, por exemplo) por uma associação acessível em outro lugar, ou se exercitar por conta própria?

Você precisará solicitar crédito em um futuro próximo? É mais difícil ficar sem um comprovante de renda ativo.

Procure aconselhamento de outras pessoas que passaram pela demissão

Você pode pensar que está sozinho em dar o salto, mas é o único a fazê-lo em geral. Use sua rede social online e pessoal para obter conselhos de outras pessoas que enfrentaram a mesma situação. Nas suas redes você encontrará mentores financeiros especialmente úteis ao desenvolver uma lista de verificação de movimentos a serem feitos.

Sempre saia do emprego deixando as portas abertas

Você pode não amar o seu trabalho. Você pode até odiar. Mas resista ao desejo de informar isso ao seu chefe (ou qualquer um de seus colegas de trabalho). Se você era um bom funcionário, seu antigo empregador pode ser sua melhor rede de segurança quando você sai por conta própria. Se as coisas não derem certo, você sempre pode pedir seu antigo emprego de volta.

Para facilitar a sua partida, avise com bastante antecedência. Se você sair por conta própria, mais de duas semanas antes do aviso prévio podem ser apropriadas. E quando seu chefe perguntar por que você está indo embora, enfatize as oportunidades que deseja buscar, não o trabalho que você está tentando escapar.

Antes de sair, pergunte-se se é a decisão certa

Uso meu trabalho diário para subsidiar minhas paixões e hobbies. Isso me permite evitar coisas que considero desagradáveis, como fazer coisas chatas em meus hobbies ou que não me ensinarão novas habilidades. Assim, não preciso deles para fazer dinheiro e, e posso assumir projetos que realmente amo, aprendendo mais.

Isso não precisa estar relacionado a hobbies. O problema é que quando você se torna seu próprio patrão, segue os passos de pessoas de muitas gerações anteriores. Pode ser difícil ganhar a vida com seus hobbies, mesmo que você seja famoso por isso.

Pode ser emocionante seguir seu coração, mas você também precisará de números, se sua intenção é sair do emprego para conseguir seguir seus sonhos e hobbies, pense nisso.

Você não pode realizar a transição de qualquer jeito. É importante estar adequadamente preparado em termos de dinheiro, para estar na melhor posição possível.

E se você? Você está se preparando financeiramente para deixar seu emprego? O que é que você fez; e o que te preocupa? Deixe-nos saber em um comentário.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)